Você está em: Notícias » O potencial de gás natural...

O potencial de gás natural de Moçambique continua enorme

Prevê-se que o projecto FLNG (Infraestrutura Flutuante de Gás Natural Liquefeito), denominado Coral Sul, de 3,4 toneladas métricas por ano (MTPA), agora em curso na Bacia do Rovuma, em Cabo Delgado, realize a primeira produção de gás em 2022, colocando Moçambique como um produtor de GNL-Gás Natural Liquifeito.

Numa reflecção sobre a sexta edição da conferência Mozambique Mining Oil and Energy (MMEC), recentemente realizada, em Maputo, Paul Eardley-Taylor, director de Petróleo e Gás para África Subsariana do Standard Bank, disse esperar que o GNL de Coral seja vendido globalmente e, como um subproduto, também possa abrir a perspectiva de vendas regionais de GNL (para a África Oriental ou Austral).

Para Paul Eardley-Taylor, os recursos de gás natural offshore de Moçambique são imensos e de alta qualidade. As descobertas existentes na Bacia do Rovuma, contêm recursos na ordem dos 150 triliões de pés cúbicos (Tcf), isso equivale a 25 biliões de barris de petróleo equivalente (BOE).

Fazendo uma comparação regional, indicou que o Uganda descobriu 1,7 bilião de BOE e o Quénia tem 0,6 bilião BOE de recursos. Portanto, o potencial de gás natural de Moçambique continua enorme e provavelmente será utilizado à medida em que se passar para um mundo onde há cada vez menos uso intensivo de carbono.

No que diz respeito ao mercado de GNL, o Standard Bank debateu as mudanças da política energética chinesa (um movimento em direção a um ar mais limpo). Isso resultou num significativo aumento anual na demanda chinesa de GNL em 2017 (cerca de 40% em relação a 2016). Este facto contribuiu globalmente para um aumento acima de 10% (comparado a 2016) na demanda de GNL de 293 MTPA.

Assim, todas as principais projecções globais de energia (BP, ExxonMobi e Shell) publicadas até ao momento em 2018 projectam um crescimento de longo prazo do mercado de GNL em cerca de 4% ao ano influenciados pelos principais mercados em crescimento, tais como a Índia e o Sudeste Asiático.

“Isso resulta de uma demanda projectada em 2040 na ordem entre 566 - 607 MTPA, que o mercado de Moçambique espera atingir”, disse Paul Eardley-Taylor.

Paralelamente, os observadores de GNL notaram um aumento no apetite do mercado e o provável avanço da “janela” para a próxima onda do projecto de GNL.

A “pimeira produção de gás” estava prevista para 2025, mas face aos novos desenvolvimentos esta previsão foi antecipada para o período entre 2022-2023 no hemisfério norte. Isto significa que a Decisão Final de Investimento (DFI) de vários novos projectos terá que ser decidida nos próximos 18 meses.

O Standard Bank teve conhecimento durante a conferência MMEC (conforme relatado pela Bloomberg) que a Anadarko aprovou prazos suficientes para o Acordo de Compra e Venda para atender às suas necessidades.

“A nossa expectativa actual é que a Área 1 de Golfinho (12,88 MTPA) e a Área 4 de Mamba tentem alcançar a próxima janela e terão como meta 2019 para as DFIs. Com efeito, Afungi seria então semelhante a Ras Laffan, no Qatar, com desenvolvimentos paralelos de GNL em construção no início de 2020”, referiu Paul Eardley-Taylor.

O Standard Bank espera que a atenção de Moçambique se volte cada vez mais para o gás doméstico, ou seja, a quantidade de gás offshore produzido pelos empreendimentos que não serão transformados em GNL e que será processado em unidades industriais em Moçambique (para uso interno ou exportação).

Isso também foi abordado num recente e importante discurso feito pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, na Chatham House, em Londres, onde o Standard Bank esteve presente. A vantagem do gás doméstico é que este ampliará as fontes de receita de Moçambique, aumentará o PIB (Produto Interno Bruto) e o conteúdo local, assim como promoverá o aumento dos benefícios.

Na Área 1, a Anadarko comprometeu-se com 50 milhões de metros cúbicos de gás por dia (MMSCFD) por trem, o que provavelmente será utilizado para abastecer duas novas plantas industriais - fertilizante e energia. Há também um grande empreendimento de gás para líquidos que foi anunciado pela Shell e seleccionado como parte do concurso para gás doméstico.

“Embora a produção em volume de fertilizantes e energia ainda seja desconhecida, esperamos que a maior parte do gás seja usado no processo de fertilizantes. Esperamos que os primeiros projectos de gás doméstico cheguem à DFI cerca de 2 anos após os primeiros projectos de GNL onshore, o que implica que os primeiros projectos de gás doméstico começarão a ser construídos em 2021 para entrarem em operação entre 2024-2025. Isso exigirá trabalho intensivo das partes interessadas moçambicanas nos próximos dois anos ou mais, mas os benefícios são enormes”, destacou Paul Eardley-Taylor.

Na Área 4, a recente integração da ExxonMobil e a suposição do papel de Operador Onshore significa que várias vertentes de trabalho multidisciplinar estão a caminhar para determinar a capacidade e a estrutura do GNL do Mamba, incluindo seu elemento de gás doméstico. “Esperamos que a Área 4 trabalhe com grande velocidade para garantir que o Mamba possa atender à próxima janela do mercado”, concluiu o director de Petróleo e Gás para África Subsariana do Standard Bank.

Eventos e Responsabilidade Social

Standard Bank realiza segunda edição da Corrida Azul

Os atletas Albertino Mamba e Zeferina Marinho sagraram-se, no sábado, 18 de Agosto, vencedores da segunda edição da Corrida Azul, promovida pelo Standard Bank no âmbito da sua responsabilidade social corporativa, associada às celebrações dos 124 anos da sua implantação em Moçambique.

Colaboradores do Standard Bank apoiam Infantário da Matola

Colaboradores do Standard Bank realizaram, no sábado, 25 de Agosto, uma acção de beneficência no Infantário da Matola, na província de Maputo, que consistiu na pintura dos dormitórios, limpeza e doação de roupa, calçado, material de higiene e limpeza, bem como produtos alimentares não perecíveis.