Você está em: Notícias » Sola David-Bhora fala da im...

Sola David-Bhora fala da importância do apoio as PME's , na terceira edição da Cimeira Financial Times em Moçambique

O desenvolvimento de um conjunto de acções apropriadas para o crescimento das Pequenas e Médias Empresas (PME) capazes de apoiar o crescimento com base nas exportações requer uma combinação entre o investimento do sector privado e a transferência de competências.

Esta constatação foi feita pela administradora executiva para a região africana do Grupo Standard Bank, Sola David-Bhora, ao se debruçar sobre a importância de apoiar as PME e melhorar o acesso ao financiamento, na terceira edição da Cimeira Financial Times em Moçambique, realizada, recentemente, em Maputo.

“As PME constituem a força motriz para a criação de postos de emprego e para o desenvolvimento económico local. Elas fornecem a maior parte dos bens e serviços essenciais para as comunidades”, sustentou.

O financiamento para as PME, conforme realçou Sola David-Bhora, constitui um desafio para muitas instituições financeiras, devido à falta de informação que torna o acesso e a provisão de serviços a este sector difícil e oneroso.

Entretanto, ressalvou que a esperança ainda não está perdida, neste contexto, pois existem formas para contornar a situação, uma vez que a tecnologia permite o estabelecimento de meios de financiamento, como por exemplo, os novos modelos de negócio baseados em análises de dados avançados, o financiamento da cadeia de fornecimento e comércio electrónico e outras inovações, que podem oferecer soluções.

“A introdução de fontes não tradicionais de capital de longo prazo e a capacitação dos financiadores das PME são apenas algumas das formas através das quais se pode garantir o financiamento”, frisou.

Prosseguindo, Sola David-Bhora referiu que os bancos desempenham um papel directo e prático na realização do potencial das PME para o crescimento inclusivo, especialmente para os jovens, fornecendo plataformas que habilitem as PME a aceder ao capital, gerir transações e negociar, tanto a nível local como global.

Num outro desenvolvimento, a administradora executiva para a região africana do Grupo Standard Bank, Sola David-Bhora defendeu o restabelecimento da estabilidade macroeconómica, através da mistura equilibrada de políticas fiscal e monetária como uma prioridade para o crescimento do sector privado.

“As reformas para fortalecer a concorrência, o ambiente de negócios e as habilidades também são essenciais para a resiliência das empresas, dada à abertura de Moçambique e a sua exposição ao ciclo de produtos”, afirmou.

Na sua opinião, o comércio regional entre as economias em rápida diversificação vai criar oportunidades para o crescimento inclusivo. No entanto, segundo ressalvou, ainda há muito por fazer em relação à remoção dos obstáculos legislativos, físicos e da ausência de infraestruturas que inibem o comércio transfronteiriço e regional em África.

“O crescimento noutras regiões com alto desempenho económico no mundo, especialmente na Ásia, tem sido caracterizado por altos níveis de comércio transfronteiriço e regional. Este tem sido um dos principais impulsionadores das PME e da formação de competências, criação de emprego para jovens”, sustentou.

Neste âmbito, segundo indicou, o Standard Bank trabalha para conectar os mercados em África, fornecer especialização e consolidar relações para ajudar os clientes a negociar ambientes financeiros e regulatórios transfronteiriços complexos.

“Equipas locais e pesquisas aprofundadas impulsionam a compreensão profunda do Standard Bank sobre a dinâmica do mercado em países com economias em rápido desenvolvimento. Esta especialização permite ao banco criar oportunidades para os clientes encontrarem-se, estabelecerem redes e relacionamentos mutuamente benéficos”, concluiu.

Eventos e Responsabilidade Social

Estudo delineia o potencial do GNL do Rovuma para transformar Moçambique

Com um potencial de 15.2 milhões de toneladas, por ano (MTPA), o projecto de Gás Natural Liquefeito (GNL), desenvolvido na bacia do Rovuma, na província de Cabo Delgado, vai atrair entre 27 e 32 biliões de dólares norte-americanos em investimento directo estrangeiro (IED), devendo rentabilizar 2.6 biliões de pés cúbicos de recursos de GNL ao largo, aumentar de 15 a 18 biliões de dólares o Produto Interno Bruto (PIB) de Moçambique, por ano, e transformar o País, a breve trecho, no quarto maior produtor de GNL do mundo.

Somos pela igualdade de género

Hoje, 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, as nossas plataformas digitais, “vestiram-se” de magenta, em apoio ao movimento de solidariedade da ONU Mulher pela igualdade de género HeForShe (ElePorEla).